A importância dos cuidados paliativos no câncer de pulmão

Receber o diagnóstico de câncer é sempre um momento difícil, mas é fundamental seguir os tratamentos indicados pelo médico para melhorar e manter uma vida mais tranquila mesmo com essa doença.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), estima-se que para cada ano do triênio 2020/2022, sejam diagnosticados no Brasil 30.200 novos casos de câncer de pulmão, traqueia e brônquio (17.760 em homens e 12.400 em mulheres). [1,2]

Ainda que esses números sejam altos, o INCA estima que o número de casos vem diminuindo ao longo do tempo. [2,3]

Os cuidados paliativos podem ser adotados junto com o tratamento, para ajudar a melhorar o quadro do paciente ou o avanço da doença.

Se você está em tratamento de câncer de pulmão ou está apoiando um paciente durante esse processo e está procurando mais informações sobre esse tipo de cuidado, veja todas as informações que o Programa FazBem separou para você!

O que são cuidados paliativos?

Cuidados paliativos são prestados a pessoas com doenças graves e progressivas para ajudar a melhorar a saúde. [4,5,7]

É uma forma de manter e promover a saúde e qualidade de vida do paciente, da família ou da pessoa que o acompanha nessa jornada. Cuidados paliativos ajudam na prevenção e alívio do sofrimento, da identificação precoce de situações que podem ser tratadas com mais rapidez. [4,5,7]

Além disso, contribui para a diminuição da dor, dos sintomas físicos, sociais, psicológico e espirituais.

Os cuidados paliativos podem ser prescritos por qualquer pessoa com o diagnóstico de alguma doença grave, evolutiva e com alto potencial de sofrimento. Os casos de câncer são os que mais usam os cuidados paliativos, com uma equipe que acompanha os pacientes desde o início

Quando os cuidados paliativos devem começar?

Os cuidados paliativos podem começar o mais rápido possível, para melhorar e controlar as condições clínicas do paciente. [4,6]

Em casos de fases terminais, em que o paciente tem pouco tempo de vida, o tratamento paliativo se torna prioritário para garantir qualidade de vida e conforto.

A abordagem desse tratamento é feita ao paciente com a participação da família por uma equipe multifuncional composta por todos os profissionais necessários para cada quadro (nutricionista, terapeuta, conselheiro etc.) o que difere de paciente para paciente. [4,6]

Esses profissionais serão responsáveis por acompanhar e ajudar a saúde e bem-estar de cada família e paciente.

Pontos abordados no suporte paliativos

Segundo o Instituto Oncoguia os suportes oferecidos podem ser:

Físicos: dor, fadiga, perda de apetite, náuseas, vômitos, estresse, falta de ar e insônia.

 Aqui, o controle de sintomas é muito importante. Assim, é possível melhorar as dores, os efeitos colaterais de medicamentos e tratamentos para que o paciente fique mais confortável, mas ainda alerta para algum sintoma novo que venha aparecer.

Emocional: os profissionais de cuidados paliativos podem fornecer recursos para ajudar os pacientes e seus familiares a lidar com as emoções que acompanham o diagnóstico e o tratamento do câncer. 

O medo, a angústia e a tristeza são algumas das preocupações que podem ser abordadas pelos profissionais responsáveis
pelos cuidados paliativos. 

 Espiritual: os pacientes e familiares buscam mais profundamente o significando de suas vidas após esse diagnóstico.

 Um especialista nesses cuidados pode ajudar a explorar todas as crenças e valores para encontrarem paz com sua situação e aceitá-la.

 Necessidades do cuidador: os amigos e familiares podem querer dar conta de tudo, isso porque não querem que o paciente se sinta abandonado.

 Por isso, é comum que eles se sintam sobrecarregados e até perdidos.

 Um profissional pode orientá-los a contratarem um cuidador, não para “tomar” o lugar deles, mas para auxiliar nesse momento e aliviar um pouco toda a tensão.

Assistência ao luto: é um suporte para a família e entes queridos antes e depois da morte do paciente, nos casos mais graves. Esse pode ser um assunto delicado, mas é importante conversar sobre ele. Assistentes sociais, enfermeiros e especialistas podem ajudar no processo de luto. [6]

Os cuidados paliativos estão disponíveis para o paciente com câncer 24 horas por dia, 7 dias por semana. Eles podem ser realizados na residência do paciente, num hospital, em casa de repouso ou clínica particular. [6]

Um médico ou assistente social pode ajudar a decidir qual programa de cuidados paliativos é melhor para você e sua família.

O apoio da família é fundamental para o tratamento paliativo, pois a família ou amigo próximo incentivara o paciente nesse momento difícil e manterá contato com a equipe médica junto ao paciente.

Onde encontrar um programa de cuidados paliativos?

O médico pode ajudar a encontrar serviços de cuidados paliativos na sua região, mas essa deve ser uma escolha junto da família e do paciente, para entrarem em um acordo e decidirem o que melhor atendem as suas necessidades.

O paciente pode optar por recursos locais, municipais e estaduais ou pelo próprio plano de saúde caso eles cubram o tratamento.

Alguns recursos locais:

  • Serviços na relação do plano de saúde;
  • Hospitais de grande porte;
  • Associação Médica Brasileira;
  • Academia Brasileira de Cuidados Paliativos;
  • Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia;
  • Sociedade Brasileira de Psico-oncologia;
  • Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica;
  • Sociedade Brasileira de Cancerologia. [6]

Cuidados paliativos para o câncer de pulmão

No câncer de pulmão, os procedimentos são os mesmos, o que muda é que os cuidados vão ser focados nos sintomas específicos daquele diagnóstico.

A respiração, por exemplo, pode ser facilitada com a ajuda de exercícios simples, evitando viagens desnecessárias para cima e para baixo nas escadas, usando um ventilador para fundir o ar fresco para a face, e a fisioterapia da caixa por exemplo. [7,8,9]

Caso necessário, a terapia de oxigênio em casa e as medicações podem ser prescritas para melhorar a respiração.

Como a dor é controlada, é importante ficar atento às respostas do paciente durante os outros cuidados. Caso aconteça alguma alteração ou sintoma novo, é importante sempre comunicar ao médico.

Com os cuidados paliativos certos, o paciente pode se sentir mais confortável e seguir o seu tratamento com mais força e determinação. Pode ter certeza de que isso fará toda a diferença no bem-estar e na maneira de encarar os desafios que o câncer pode trazer. [7,8,9]

 

 

Referências:

BR-13270. Material destinado a pacientes. Jun/2021
 
Os comentários estão fechados
Política de Cookies

Esse Website utiliza política de cookies para oferecer uma melhor experiência para o usuário.

Utilizando esse website você permite o uso desses cookies.

Descubra mais sobre como nós utilizamos e gerenciamos cookies lendo nossa Política de Cookies.