Diabetes e os impactos na saúde do coração e rim

 

O que você sabe sobre diabetes?

Em todo mundo, mais de 463 milhões de pessoas possuem diabetes, segundo os dados da 9ª edição do Atlas de Diabetes da Federação Internacional de Diabetes (IDF).

Ainda de acordo com dados da IDF, no Brasil estima-se que 18 milhões de pessoas entre 20 a 79 anos têm a doença. O mais preocupante é que até 46% ainda não são diagnosticados - não sabem queque têm diabetes.

É importante saber que se não controlado, o diabetes é perigoso. Períodos prolongados de hiperglicemia (excesso de açúcar no sangue), por exemplo, podem danificar órgãos, nervos e vasos sanguíneos de maneira irreversível.

Mas calma, não precisa se preocupar. O FazBem, programa de cuidado e apoio ao paciente da AstraZeneca, criou o movimento #Alémdaglicose. Nele você encontra conteúdos relevantes e de qualidade para te ajudar na missão de cuidar do seu diabetes e ter melhor qualidade e vida. Venha conferir!

 

Agora se você é novo por aqui e ainda não sabe muito bem o que é diabetes ao longo desse texto, vamos te explicar tudo o que você precisa saber.

Mas afinal, que doença é essa?

Diabetes é uma doença crônica causada por um defeito na produção ou a má utilização da insulina pelo corpo, o que causa aumento dos níveis de glicose (açúcar) no sangue.

A falta ou inabilidade da insulina em efetuar corretamente o seu “papel” causa um aumento do açúcar (glicose) no sangue e, consequentemente, o Diabetes.

Você deve estar se perguntando, qual é o papel da insulina no nosso corpo?

Para gerar energia para o corpo, a glicose precisa “entrar” nas células (músculos, coração, olhos, entre outros), e a insulina “abre a porta” da célula, permitindo entrada da glicose para gerar energia. Se não há insulina ou esta não funciona adequadamente, não há entrada de glicose nas células e os níveis no sangue ficam altos – é o que chamamos de hiperglicemia.

Existem tipos diferentes de diabetes e cada um tem sua particularidade, cuidados e tratamento. Confira alguns dos principais tipos de diabetes:

  • Diabetes tipo 1;
  • Diabetes tipo 2;
  • Diabetes Gestacional.

Quer saber mais sobre detalhes sobre os tipos de diabetes, temos um conteúdo especial que explicar como funciona e como tratar. Confira no FazBem Diabetes.

Por que é importante cuidar do diabetes?

O diabetes em si não é uma doença grave, entretanto, as consequências do mau controle da doença podem ser muito sérias. Entre as principais complicações estão os danos a diversos órgãos e sistemas, como coração, rins e olhos.

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde sobre o câncer no Brasil, as condições associadas ao diabetes causam mais mortes do que o câncer de mama e a síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS), juntas. Felizmente, é possível ter mais controle sob esses riscos por meio de um tratamento adequado do diabetes.

Você deve estar se perguntando, mas porque o diabetes aumenta as chances das doenças cardiovasculares? 

Vamos ver a seguir a relação entre diabetes e o coração.

Diabetes x Coração - impactos, consequências, cuidados

Já falamos sobre como a doença resulta em um descontrole dos níveis de açúcar no sangue, que, juntamente com a incapacidade de produzir insulina, gera um estado de inflamação.

Todo esse quadro contribui para o surgimento de placas de gordura, aumento do colesterol ruim e outras substâncias nas paredes das artérias, restringindo o fluxo do sangue.

O conjunto desses fatores criam uma situação favorável para a formação de coágulos que podem resultar em um infarto (obstrução das artérias coronárias) ou derrame (obstrução das artérias cerebrais).

Apensar de ainda não existir cura, diabetes pode ser tratado e controlado. Mas algumas mudanças no estilo de vida são necessárias.

Suas atitudes fazem toda a diferença na prevenção das complicações que o diabetes pode trazer para a saúde do seu coração.

Você precisará ser tratado por uma equipe multidisciplinar, com endocrinologista, nutricionista, educador físico, psicólogo e outros especialistas.

Vale ressaltar que algumas mudanças como praticar atividade física, não fumar, se alimentar de maneira saudável e perder peso (se necessário), contribuem para a redução de fatores de risco para doenças cardiovasculares.

Mas para garantir que a mudança do estilo de vida está sendo benéfica para o tratamento é preciso o acompanhamento de um médico. Só ele poderá dar as orientações necessárias para garantir a sua saúde.

Agora, precisamos lembrar que o diabetes também pode afetar o rim, por isso que tal falarmos sobre a relação entre diabetes com o rim?

Diabetes x Rins - impactos, consequências, cuidados

Você sabia que a doença renal é 10 vezes mais comum em pessoas com diabetes?

Segundo o Atlas de Diabetes, no mundo 44% dos portadores da doença desenvolvem a doença renal crônica.

Você deve estar pensando por que o diabetes está diretamente ligado ao rim?

O diabetes pode trazer danos aos rins, quando compromete a sua capacidade de filtragem. Os altos níveis de açúcar no sangue fazem com que os rins tenham que filtrá-lo mais, sobrecarregando os órgãos e levando a perda de proteínas na urina.

Com o passar do tempo e o excesso de resíduos no sangue e a sobrecarga fará com que os rins percam a capacidade de filtragem e venham a falhar. Podendo levar o paciente a necessitar de sessões de hemodiálise ou de um transplante renal.

Em torno de 25 a 30% dos pacientes que fazem hemodiálise no Brasil, na Fundação Pró-Rim – referência nacional no tratamento renal, tiveram insuficiência crônica dos rins em decorrência da diabetes, segundo o Atlas de Diabetes.

Por isso é recomendável que os pacientes com diabetes, tanto do Tipo1 e do Tipo2, façam a pesquisa de microalbuminúria, que verifica a quantidade albumina (proteína produzida no fígado) eliminada na urina. Quanto maior a quantidade de albumina que é eliminada pelo organismo, mais os rins estão afetados.

A Sociedade Brasileira de Nefrologia e a Sociedade Brasileira de Diabetes recomendam que toda pessoa com diabetes, entre os 12 a 70 anos de idade, faça a pesquisa pelo menos uma vez por ano.

A manutenção de um bom controle do açúcar no sangue pode reduzir o risco de se contrair a insuficiência renal crônica.

Cuidados com a pressão arterial, o uso correto de medicamentos, quando necessários, alinhados com hábitos saudáveis, como a prática de exercícios físicos, controle de peso e o não consumo de álcool e cigarros, são necessários para o controle do diabetes.

Chegamos ao final desse artigo, espero que você tenha gostado de todas as informações.

Se você quiser saber mais sobre Diabetes acesso o #Alémdaglicose, nele você vai encontrar conteúdos revisados por um time de médicos especialistas, informações sobre alimentação, atividades físicas e muito mais. Venha conferir #Alémdaglicose

 

 

 

 

Referências:
https://blog.programafazbem.com.br/post/desvendamos-5-mitos-sobre-causas-e-sintomas-do-diabetes
https://blog.programafazbem.com.br/post/como-o-diabetes-pode-afetar-os-seus-rins
https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2019/11/18/46-dos-brasileiros-com-diabetes-nao-sabem-que-tem-doenca-veja-sintomas.htm#:~:text=Sa%C3%BAde-,46%25%20dos%20brasileiros%20com%20diabetes%20n%C3%A3o,que%20t%C3%AAm%20doen%C3%A7a%3B%20veja%20sintomas&text=Cerca%20de%207%2C7%20milh%C3%B5es,quinta%2Dfeira%20(14).
https://www.atlasdasaude.pt/artigos/nefropatia-diabetica-doenca-renal-atinge-cerca-de-um-terco-dos-diabeticos
https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/situacao_cancer_brasil.pdf
Os comentários estão fechados
Política de Cookies

Esse Website utiliza política de cookies para oferecer uma melhor experiência para o usuário.

Utilizando esse website você permite o uso desses cookies.

Descubra mais sobre como nós utilizamos e gerenciamos cookies lendo nossa Política de Cookies.