Diagnóstico de câncer de ovário: perguntas que você deve fazer ao seu médico

 O câncer de ovário é um dos cânceres mais comuns vividos por mulheres em todo o mundo. Entretanto, mesmo após o diagnóstico, as dúvidas e incertezas sobre esse assunto ainda são muitas entre as pacientes e familiares.

Para ajudar você a ter uma consulta mais esclarecedora com o seu médico especialista, separamos algumas perguntas para você fazer ao seu médico após o diagnóstico:

  1. Que tipo de câncer de ovário eu tenho?

O câncer de ovário pode se apresentar de formas diferentes em cada pessoa, dependendo da sua idade, imunidade e a fisiologia geral do corpo. Existem 30 tipos diferentes de câncer de ovário, a maioria dos quais são classificados de acordo com o tipo de célula que deu origem ao câncer.

Para que um plano de tratamento seja feito especificamente para suas necessidades, é importante entender qual o seu tipo de câncer de ovário. O tipo celular mais comum que são responsáveis ​​pelo câncer de ovário, que atinge 95% dos casos, inclui as células epiteliais - são encontradas na camada mais externa dos ovários, mas também pode se originar nas células germinativas, que produzem os óvulos ou nas células do estroma, responsáveis ​​pela secreção do hormônio.[11]

  1. Qual é o estágio do meu câncer de ovário?

Depois do diagnóstico do câncer de ovário, a primeira coisa que o seu médico deve fazer é descobrir quanto o câncer se espalhou pelo corpo - o que geralmente é classificado como estadiamento do câncer.

Segundo o Instituto Oncoguia os médicos utilizam diferentes tipos de exames e testes para determinar o estadiamento do câncer. Dependendo da localização do tumor, o exame físico pode dar algumas pistas. Exames de imagem, como raios X, tomografia computadorizada, ressonância magnética, ultrassom e PET scan, também podem fornecer informações precisas sobre a localização da doença e sua disseminação. [12]

Esses exames, ajudam o médico a avaliar o prognóstico do câncer e as abordagens corretas do tratamento.

  1. O câncer se espalhou para outras partes do corpo?

Estágios mais avançados do câncer de ovário são, frequentemente, associados à disseminação das células cancerosas além dos ovários e órgãos pélvicos. Isso pode causar metástase para o fígado, pulmões, pele ou até mesmo para o cérebro. São os casos dos estágios 3 e 4 do câncer de ovário. Confira os estágios onde o câncer de ovário pode ter se espalhado:

Estágio 2

Nesse estágio o câncer está em um ou ambos os ovários e se espalhou para outras partes da pelve. Sendo classificado como:

  • Estágio 2A: o câncer atingiu o útero, as trompas de Falópio ou ambos.
  • Estágio 2B: o câncer atingiu a bexiga, o reto ou o cólon.
  • Estágio 2C: o câncer atingiu qualquer um dos órgãos acima, está na superfície do ovário, uma cápsula com fluido se rompeu OU há células cancerosas no fluido abdominal.

Estágio 3 de câncer no ovário.

No estágio 3 o câncer espalhou-se para além da pélvis. As células cancerígenas podem ser encontradas no revestimento do abdômen e nos gânglios linfáticos ou para outros órgãos abdominais, exceto para o fígado. Sendo classificados como:

  • Estágio 3A: o câncer se espalhou pelo revestimento do abdome, não pode ser visto e não atingiu os gânglios linfáticos;
  • Estágio 3B: o câncer se espalhou pelo abdome, é visível (mas tem menos de 2 cm), mas não atingiu os gânglios linfáticos;
  • Estágio 3C: o câncer se espalhou pelo abdome, é visível (e tem mais de 2 cm) e atingiu os gânglios linfáticos.

Já no estágio 4 do câncer no ovário

O câncer se disseminou para órgãos distantes do ovário podendo atingir o pulmão, fígado.

  • Estágio 4a – Presença de células cancerígenas no líquido pleural (da cavidade que envolve os pulmões);
  • Estágio 4b – Câncer espalhou-se para o interior do fígado ou do baço, para outros gânglios linfáticos e para órgãos ou tecidos como pulmões, cérebro e pele. [12,13]

Por isso, é importante saber a extensão da propagação do câncer no corpo, pois a presença de metástases pode afetar muito as abordagens do seu tratamento.

  1. É possível engravidar após o câncer de ovário?

Esse é um dos medos mais comuns das mulheres que são diagnosticadas com câncer de ovário, mas ainda desejam engravidar.

As opções de tratamento optadas para o câncer de ovário dependem muito da extensão do câncer e de quanto ele se espalhou pelo corpo. Um câncer de ovário avançado pode exigir a remoção cirúrgica dos ovários e das trompas de falópio e útero associados. Essa remoção não possibilita a gravidez, mas nada impede que a escolha de outras opções para construir uma família.

No caso de um tumor de células germinativas, onde apenas um ovário está envolvido, uma abordagem de tratamento mais conservadora pode ser praticada, o que permitirá que a paciente potencialmente engravide após o tratamento do câncer de ovário.

Mas vale ressaltar que a possibilidade de preservar a fertilidade vai depender do estágio do câncer, do tratamento utilizado entre outros fatores, por isso apenas o médico pode explicar e afirmar após analisar o seu caso.

Converse com o seu médico e entenda o seu caso.

  1. Por que o teste BRCA é importante para você?

Você sabia que todas as pacientes recém diagnosticadas com câncer de ovário devem ser testadas para as mutações dos genes BRCA?

Já falamos aqui no blog sobre o teste genético. As mulheres podem fazer o teste para o gene BRCA, que avalia mutações herdadas devido a um histórico familiar de câncer de mama ou de ovário.

A Síndrome de câncer de mama e ovário representa de 5 a 10 % dos casos de câncer de mama, tem herança autossômica dominante e está relacionada à presença de mutações germinativas nos genes BRCA1 e BRCA2 – há indícios de que algumas mutações nesses genes elevam em até 80% o risco de câncer.

A alta frequência das mutações e o risco elevado dessas mulheres desenvolverem a doença torna o exame BRCA uma importante ferramenta na prevenção precoce do câncer de mama e câncer de ovário. [14]

Importante ressaltar que a ANVISA vem avaliando novos achados para melhorar o tratamento de pacientes com e sem mutações.

  1. Quais são as opções de tratamento para o câncer de ovário?

As opções atuais de tratamento para uma paciente que tem câncer de ovário incluem:

Cirurgia: o tratamento cirúrgico envolve a remoção de células cancerosas do corpo, que pode ser seguida de radioterapia. [16]

Quimioterapia: a quimioterapia envolve o uso de certos medicamentos que ajudam a matar as células cancerosas ou a reduzir o tamanho do tumor.

Manutenção: é uma nova abordagem que tem por objetivo permitir que o paciente fique sem doença ou livre de remissão.

Vale ressaltar que existem também terapias de manutenção, que são tratamentos utilizados para ajudar no tratamento primário aumentando o tempo livre de progressão do paciente e a manter o câncer em remissão. [17]

  1. Quais médicos estarão envolvidos no meu tratamento de câncer de ovário?

Diferentes planos de tratamento para o câncer de ovário causarão o envolvimento de diferentes tipos de médicos. Isso pode incluir:

Cirurgião Ginecológico: esse profissional é um médico especializado no tratamento do câncer de ovário. Eles podem usar planos cirúrgicos para o tratamento do câncer.

Patologista: é o profissional de saúde que examina os fluidos e tecidos corporais. É também responsável por realizar testes de laboratório que auxiliarão o diagnóstico do câncer de ovário, avaliando o tipo, gradação e subtipo histológico. O patologista ajuda outros profissionais de saúde ao determinar diagnósticos e é um membro importante da equipe de tratamento.

Radiologista intervencionista: é o profissional que utiliza a radiologia não apenas para o diagnóstico, mas também para o tratamento de várias doenças através da associação de princípios clínicos e cirúrgicos. 

Oncogeneticista: é o profissional que trabalha com o paciente e com sua família, levantando toda a história familiar do paciente de pelo menos 3 gerações acima e todas as abaixo, e identificando os portadores de tumores ou alterações genéticas que possam ser relevantes para o tratamento do tumor e para aconselhamento familiar.

Oncologista: é um médico especializado em drogas quimioterápicas para o tratamento de diferentes tumores. [19,20]

  1. Há algo que eu possa fazer para evitar que meu câncer de ovário piore ou volte?

De acordo com o Instituto Oncoguia, certos fatores podem diminuir o risco de progressão do câncer e aumentar as chances de sucesso do seu tratamento. Esses, incluem exercícios regulares, ter uma dieta equilibrada e saudável, sem abusar de alimentos gordurosos e tomar suplementos nutricionais terapêuticos – desde que receitados pelo médico. [18]

Além disso, deve-se também tentar parar de fumar ou de qualquer outro abuso de substância prejudicial, pois isso pode levar a um agravamento ainda maior de sua condição.

  1. Quanto tempo vai durar o tratamento?

O tratamento do câncer de ovário depende de quanto o câncer se espalhou pelo corpo, da sua saúde física e do tipo de tratamento utilizado pelo médico. A utilização da quimioterapia é muito comum para o tratamento de câncer de ovário

O tempo de quimioterapia também pode variar de acordo com o estágio e tipo de tratamento utilizado pelo médico. Alguns regimes de quimioterapia são administrados com intervalos de 21 dias, 15 dias ou 1 semana. Existem, ainda, aqueles que são administrados a cada 28 dias. Antes de cada ciclo, o paciente deve ser examinado pelo médico que avaliará a tolerância ao tratamento, bem como sua eficácia.[22]

Lembre-se que você pode sempre buscar uma segunda opinião caso são esteja completamente satisfeita com o seu diagnóstico ou plano de tratamento que o médico apresentou a você.

Escolha um profissional que esteja disposto a responder suas dúvidas e com quem você se sinta confiante. Isso vai fazer toda a diferença na sua postura com relação ao tratamento.

 

 

 
 
Referências:
  1. Shetty MK, Longatto-Filho A. Early detection of breast, cervical, ovarian and endometrial cancers in low resource countries: an integrated approach. Indian J Surg Oncol. 2011;2(3):165-171. doi:10.1007/s13193-011-0082-6
  2. https://www.cdc.gov/cancer/ovarian/basic_info/screening.htm
  3. Cirillo PM, Wang ET, Cedars MI, Chen LM, Cohn BA. Irregular menses predicts ovarian cancer: Prospective evidence from the Child Health and Development Studies. Int J Cancer. 2016;139(5):1009-1017. doi:10.1002/ijc.30144
  4. Parazzini F, La Vecchia C, Negri E, Gentile A. Menstrual factors and the risk of epithelial ovarian cancer. J Clin Epidemiol. 1989;42(5):443-8. doi: 10.1016/0895-4356(89)90134-0. PMID: 2732772.
  5. Boswell EN, Dizon DS. Breast cancer and sexual function. Transl Androl Urol. 2015;4(2):160-168. doi:10.3978/j.issn.2223-4683.2014.12.04
  6. Biglia N, Moggio G, Peano E, Sgandurra P, Ponzone R, Nappi RE, Sismondi P. Effects of surgical and adjuvant therapies for breast cancer on sexuality, cognitive functions, and body weight. J Sex Med. 2010 May;7(5):1891-900. doi: 10.1111/j.1743-6109.2010.01725.x. Epub 2010 Mar 2. PMID: 20233281.
  7. Bober SL, Recklitis CJ, Michaud AL, Wright AA. Improvement in sexual function after ovarian cancer: Effects of sexual therapy and rehabilitation after treatment for ovarian cancer. Cancer. 2018;124(1):176-182. doi:10.1002/cncr.30976
  8. Kim SY, Lee JR. Fertility preservation option in young women with ovarian cancer. Future Oncol. 2016;12(14):1695-1698. doi:10.2217/fon-2016-0181
  9. Messina M, McCaskill-Stevens W, Lampe JW. Addressing the soy and breast cancer relationship: review, commentary, and workshop proceedings. J Natl Cancer Inst. 2006 Sep 20;98(18):1275-84. doi: 10.1093/jnci/djj356. PMID: 16985246.
  10. https://oncocentermedicos.com.br/cancer-de-ovario-quais-os-principais-tipos-e-tratamentos/#:~:text=No%20ov%C3%A1rio%2C%20as%20neoplasias%20podem,na%20c%C3%A9lula%20epitelial%20desse%20%C3%B3rg%C3%A3o.
  11. https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-ovario
  12. http://www.oncoguia.org.br/conteudo/estadiamento/4795/1/
  13. https://www.accamargo.org.br/sobre-o-cancer/tipos-de-cancer/ovario
  14. http://www.oncoguia.org.br/conteudo/resultado-do-teste-genetico/13928/1227/
  15. https://www.accamargo.org.br/sobre-o-cancer/noticias/inibidores-de-parp-estamos-vivendo-uma-mudanca-de-paradigma;
  16. http://www.oncoguia.org.br/conteudo/tratamentos/701/144/#:~:text=Os%20tipos%20de%20terapia%20local,em%20qualquer%20parte%20do%20corpo.
  17. http://www.oncoguia.org.br/conteudo/t/2611/489/
  18. http://www.oncoguia.org.br/conteudo/segundo-cancer/7798/1/
  19. http://www.oncoguia.org.br/conteudo/tratamentos/701/144/#:~:text=Em%20fun%C3%A7%C3%A3o%20das%20op%C3%A7%C3%B5es%20de,nutricionistas%2C%20assistentes%20sociais%20e%20psic%C3%B3logos.
  20. https://www.hospitalsiriolibanes.org.br/hospital/especialidades/centro-oncologia/ovario/Paginas/diagnosticos.aspx
  21. http://www.oncoguia.org.br/conteudo/tratamento-do-cancer-epitelial-de-ovario-invasivo-por-estagio/1793/230/
  22. https://oncologiaabc.com.br/quimioterapia/#:~:text=Alguns%20regimes%20de%20quimioterapia%20s%C3%A3o,A%20quimioterapia%20n%C3%A3o%20causa%20dor.
 BR-11877. Material destinado a pacientes. Maio/2021
Os comentários estão fechados
Política de Cookies

Esse Website utiliza política de cookies para oferecer uma melhor experiência para o usuário.

Utilizando esse website você permite o uso desses cookies.

Descubra mais sobre como nós utilizamos e gerenciamos cookies lendo nossa Política de Cookies.