Queda de cabelo, mudanças na aparência, cicatrizes e a autoestima no tratamento de câncer de mama

 

O diagnóstico de câncer muda a vida de qualquer pessoa. O tratamento pode mudar sua aparência e o jeito como você se sente com relação a ela. No caso das mulheres, que já sofrem com a pressão estética no seu dia a dia, o desafio de manter a autoestima durante o tratamento de câncer pode ser ainda maior.

Apesar da preocupação com a estética poder parecer fútil para algumas pessoas, ela é apontada por médicos e psicólogos como uma necessidade a ser trabalhada durante o tratamento.

Se você ou alguém próximo está passando por isso, preste atenção nesse conteúdo e entenda melhor como a autoestima é afetada pelo tratamento de câncer de mama e como reconstruí-la pode ser essencial.

O que é autoestima?

O termo “autoestima” é usado para descrever o quanto você se auto aprecia e gosta de si mesmo. Em outras palavras, é a avaliação e o julgamento que você faz de si mesmo.

Uma baixa autoestima, pode fazer com que as pessoas se sintam derrotadas ou deprimidas. Da mesma maneira, uma autoestima elevada faz com que as pessoas, mesmo com medo, encarem as situações de maneira corajosa e resiliente porque acreditam e confiam mais no seu próprio potencial e capacidade.

Autoestima e o tratamento de câncer de mama

Quando o tratamento para o câncer de mama começa, além de dúvidas e insegurança, a mulher pode enfrentar momentos muito difíceis relacionados aos efeitos colaterais, que podem trazer sofrimentos físicos e emocionais.

Cada pessoa muda e reage ao tratamento de maneira diferente. Algumas mudanças serão perceptíveis para outras pessoas, mas outras apenas para você. É importante que você conheça os possíveis efeitos colaterais e entenda que, para algumas delas, talvez leve tempo para que você se ajuste. Veja algumas mudanças que você pode enfrentar:

Qualquer mudança no seu corpo pode ser incômoda. Sentir-se com raiva ou triste por causa delas é completamente normal. Entretanto, quando isso é somado à quimioterapia, ao estigma da doença, à dificuldade para enfrentar o tratamento e seus efeitos colaterais e à readaptação após o tratamento, sua autoestima pode ficar muito abalada.

Como mencionamos, a pessoa com autoestima mais elevada se sente confiante e valorizada, acreditando na própria capacidade para lidar com os desafios que lhes são impostos, adaptando-se, assim, mais facilmente às diferentes situações.

Isso quer dizer que, ao enfrentar um tratamento para câncer de mama com a autoestima boa, é provável que você enxergue a vida de outra maneira e, consequentemente, encare esse desafio de forma mais positiva do que pacientes com baixa autoestima.

Portanto, mais do que aparência, a valorização do seu bem-estar mental deve ser entendida como autocuidado durante o tratamento de câncer de mama.

As cicatrizes físicas e emocionais do câncer de mama não podem ser negligenciadas durante e após o tratamento.

 Como lidar com as mudanças?

- Seja verdadeiro com seus sentimentos. Não há problema em se sentir triste, com raiva e frustrado. Seus sentimentos são reais e você tem o direito de sofrer.

- Se sua pele mudou devido à radiação, pergunte ao seu médico como você pode cuidar dela.

- Procure novas maneiras de melhorar sua aparência aos seus olhos. Acessórios, maquiagem ou roupas podem ajudar. Se você estiver usando uma peruca, pode levá-la ao cabeleireiro para modelar e cortar.

- Converse com outros pacientes e procure grupos de apoio para ter conselhos de quem já passou ou está passando pela mesma situação.

-  Seja paciente. Algumas mudanças são temporárias e vão passar quando o tratamento acabar. Para mudanças permanentes, tenha em mente que você aprenderá a conviver e aceitá-las e pode até ressignificá-las como um símbolo da sua força.

Mastectomia e autoestima por direito

A mastectomia com certeza é um dos maiores desafios para a autoestima de quem enfrenta o câncer de mama. Essa é uma questão muito importante para o tratamento, tanto que já existe uma lei no Brasil sobre esse assunto.

Sancionada em 2013, a Lei 12.802, garante as mulheres que se submetem à mastectomia (retirada de uma ou das duas mamas) o direito de ter suas mamas reconstruídas no mesmo ato cirúrgico.

 As exceções são aquelas cujo quadro clínico não oferece condições para isso, ou seja, caso o estado da paciente ofereça riscos à sua saúde, a reconstrução não será feita imediatamente.

Caso contrário, a reconstrução mamária imediata é um direito de cada mulher e precisa ser respeitado.

 Lidando com as outras pessoas

Mudanças na sua aparência podem gerar diferentes respostas das pessoas à sua volta. No geral, as pessoas tendem a ser solidárias, mas algumas podem reagir e dizer coisas que são mais difíceis de lidar.

Dica: esteja cercada de pessoas que te amam e que fazem você se sentir bem.

Outro ponto importante é se você convive com crianças: filhos, sobrinhos, netos etc. Em geral, as crianças ficam menos assustadas quando sabem o que está acontecendo, mesmo que não entendam totalmente. Apesar de ser difícil, conversar com elas sobre o câncer será útil para todos vocês e pode prepará-las para o que esperar e deixá-las mais seguras.

Além de todas as informações que trouxemos aqui, não deixe nunca de conversar com sua equipe de saúde sobre seus sentimentos e opções que podem ajudar com relação a sua autoestima.

Sentir-se confiante e bem consigo mesma vai fazer muita diferença no seu tratamento.

 

 

 

Referências:
https://www.cancer.ca/en/cancer-information/living-with-cancer/your-emotions-and-cancer/coping-with-body-image-and-self-esteem/?region=qc
https://www.sbmastologia.com.br/wp-content/uploads/2017/09/Cartilha-Saiba-Tudo-Sobre-o-CM.pdf
https://www.sbmastologia.com.br/wp-content/uploads/2018/08/CartilhaFundacao_semapoio_SBM2018_148x210mmFechada_290x210mmAberta_4mmSangria-2.pdf
http://www.oncoguia.org.br/conteudo/mulheres-em-tratamento-de-cancer-buscam-diferentes-formas-de-recuperar-a-autoestima/917/8/
https://www.espacodevida.org.br/seu-espaco/comportamental/a-autoestima-na-mulher-com-cancer-de-mama
https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files/media/document/capa-rede-cancer-21.pdf
Bertan FC, Castro EK. Quality of Life, Anxiety and Depressions Indicators and Sexual Satisfaction in Adult Patients with Cancer. Rev Salud Soc. 2010;1(2):76-88.
Gomes NS, Silva SR. Avaliação da autoestima de mulheres submetidas à cirurgia oncológica mamária. Texto Contexto Enferm. 2013;22(3):509-16.
https://www.scielo.br/pdf/rlae/v23n6/pt_0104-1169-rlae-23-06-01082.pdf
https://www.cancer.ie/cancer-information-and-support/cancer-information/cancer-treatments-and-side-effects/coping-with-side-effects/hair-loss/coping-with-hair-loss
https://www.cancer.ie/cancer-information-and-support/cancer-information/cancer-treatments-and-side-effects/coping-with-side-effects/skin-and-nail-changes
https://www.pnl.com.br/o-que-e-autoestima/
BR-11853. Material destinado a pacientes. Mar/2021

 

Os comentários estão fechados
Política de Cookies

Esse Website utiliza política de cookies para oferecer uma melhor experiência para o usuário.

Utilizando esse website você permite o uso desses cookies.

Descubra mais sobre como nós utilizamos e gerenciamos cookies lendo nossa Política de Cookies.