Rinite alérgica e a asma podem ter relação?

Sempre existe aquela dúvida sobre uma doença ser causada ou ter relação com a outra. Realmente existem diversas situações em que uma doença pode interferir na piora, na causa ou até estar interligada com outra.

Você acha que já passou por isso de alguma maneira?

O texto de hoje é exatamente para esclarecer a você se existe, ou não, uma relação entre a asma e a rinite alérgica. Antes de irmos a esse ponto, vamos entender melhor um pouco de cada uma delas.

Asma

Segundo Ministério da Saúde, asma acomete cerca de 300 milhões de indivíduos em todo o mundo e frequentemente está associada à rinite. A elevada frequência de asma em crianças sugere o aumento da prevalência geral da doença nos próximos anos.

A asma é uma doença crônica nas vias aéreas e brônquios. A inflamação dessas áreas e a piora dessa condição pré-existente, pode ocasionar sintomas como: 

  • Falta de ar ou dificuldade de respirar;
  • Sensação de aperto no peito;
  • Peito pesado;
  • Chiado no peito;
  • Tosse. 

Os sintomas podem variar de acordo com gatilhos, como alérgenos, histórico família, clima, desempenho de atividades, período do dia e até mesmo por outras alergias respiratórias, como a rinite.

 É importante ressaltar que mesmo que os seus sintomas se estabilizem e diminuam, é importante lembrar que a asma sempre estará presente e você deve continuar o seu tratamento.

A doença pode variar ao longo da sua vida, podendo ser bem leve em alguns momentos e piorando os sintomas em outros.

Leia também: Atenção para o descontrole da sua asma

Rinite Alérgica

A rinite pode ser considerada a doença de maior prevalência entre as doenças respiratórias crônicas, acometendo cerca de 20 a 25% da população em geral, segundo o Ministério da Saúde.

Rinite alérgica é uma doença crônica que acontece na mucosa do nariz e pode afetar tanto crianças quanto adultos.

Os sintomas da rinite podem ocorrer de diversas formas como:

  • Espirros;
  • Coriza;
  • Obstrução nasal;
  • Coceira.

Algumas pessoas podem ter rinite alérgica por hereditariedade, ou seja, estar presente no histórico da família e ser “herdade” geneticamente.

Qual a relação da asma e rinite alérgica?

É comum que essa dúvida surja, principalmente se você acabou de ser diagnosticado com uma dessas doenças.  

A rinite está associada ao risco para o desenvolvimento de asma. Isso se deve à presença de fatores desencadeantes comuns e da semelhança do padrão de inflamação da mucosa nasal e pulmonar de ambas.

A rinite alérgica pode tornar a asma um pouco mais difícil de se controlar, por isso, pessoas com asma e rinite têm mais idas a hospitais do que pessoas apenas com uma das doenças. 

Alguns fatores que desencadeiam a asma também podem piorar a rinite alérgica. Podemos incluir entre elas:

  • Alérgenos;
  • Ar frio;
  • Fumaça;
  • Vapores.

O tratamento adequado das doenças pode evitar que uma desencadeie a outra, reduzindo as chances de grandes crises e ataques de asma ou rinite, fazendo com que os pulmões funcionem melhor e você melhore a qualidade de vida.

 Leia também: Passo a passo: como usar o spray no tratamento da asma

 Diagnosticando essas doenças

Os médicos podem avaliar os seus sintomas e pedir exames físicos que verificam o controle de asma e se existe alguma alergia.

Relatos que podem auxiliar o seu médico:

  • Quando seus sintomas começaram e se eles melhoraram ou pioraram com o tempo;
  • Se você costuma apresentar sintomas em determinadas épocas do ano;
  • Se alguma coisa ou lugar parecer melhorar ou piorar os sintomas;
  • Se você tem alguma condição alérgica conhecida (incluindo asma) e se algum membro da família tem alergia respiratória;
  • Se experimentou algum medicamento, como sprays nasais ou comprimidos sem receita, e se fizeram alguma diferença.

Para realizar o diagnóstico o médico pode:

  • Medir como seus pulmões estão funcionando, usando um espirômetro. Se você normalmente testa seus próprios pulmões usando um medidor de pico de fluxo todos os dias, leve seus resultados;
  • Realizar testes de alergia - testes cutâneos ou de sangue;
  • Encaminhar você a um especialista como um alergista ou pneumologista.


É muito importante que essas doenças sejam tratadas e observadas com frequência, por isso, sempre mantenha suas consultas e exames em dia para não desenvolver crises frequentes ou mais fortes.

Também é importante que você busque um especialista e fique atento ao agravamento de sintomas ou sintomas não típicos dessas doenças (alergias alimentares, erupções, nariz constantemente bloqueado e sangramento nasal), procure estar sempre atento aos efeitos do medicamento, caso não esteja fazendo efeito procure seu médico e explique a situação.

Cuidar da sua saúde respiratória é fundamental para viver melhor, fique sempre atento a melhoras e pioras no seu quadro e sempre comunique o seu médico. 

Leia também: Em casa: Telemedicina existe? Como funciona?

 

 

 
Referências
https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doencas_respiratorias_cronicas.pdf
https://www.nationalasthma.org.au/living-with-asthma/resources/patients-carers/brochures/hay-fever-allergic-rhinitis-and-your-asthma
https://sbpt.org.br/portal/espaco-saude-respiratoria-asma/
https://www.sbp.com.br/especiais/pediatria-para-familias/noticias/nid/rinite-alergica/
BR-13424. Material destinado a pacientes. Jul/2021
 
Os comentários estão fechados
Política de Cookies

Esse Website utiliza política de cookies para oferecer uma melhor experiência para o usuário.

Utilizando esse website você permite o uso desses cookies.

Descubra mais sobre como nós utilizamos e gerenciamos cookies lendo nossa Política de Cookies.