Alimentação e o refluxo gastroesofágio


Sabia que alguns alimentos são conhecidos por contribuir para a piora dos sintomas?

 Eliminar completamente um alimento da sua rotina pode ser muito difícil, por isso a chave aqui é a moderação. Coma pequenas porções com mais frequência ao invés de refeições maiores e mais pesadas, poucas vezes ao dia. Além disso, também vale evitar comer alimentos problemáticos para o refluxo gastroesofágico muito tarde da noite, próximo da hora de dormir.

Antes de entramos no detalhe desse assunto, é importante relembrar o que é o refluxo gastroesofágico e o que acontece no seu corpo quando ele se faz presente.

O que é refluxo gastroesofágico?

A causa mais comum do refluxo gastroesofágico é a incapacidade do esfíncter esofágico (válvula muscular que separa o estomago do esôfago e que se fecha para impedir que o conteúdo do estômago volte a subir) impedir a volta do conteúdo gástrico, provocando a regurgitação.

Normalmente, o esfíncter esofágico protege o esôfago do ácido gástrico. No entanto, se o esfíncter relaxar, a comida pode empurrá-lo para cima através da abertura solta e causar refluxo ácido.

O conteúdo gástrico pode ser constituído de saliva, alimentos ingeridos, líquidos de secreção gástrica e secreções pancreáticas ou biliares.

Esse processo gera sintomas como azia (queimação retroesternal – na região do peito que pode subir até a garganta), dificuldade para engolir, náusea, problemas respiratórios (asma, pneumonia), pigarro, tosse, rouquidão, sinusite, dor torácica não cardíaca (DTNC).

Alimentos para refluxo gastroesofágico

A boa notícia é que os seus hábitos alimentares podem ajudar a prevenir esses sintomas.

De maneira geral, a dieta para refluxo gastroesofágico é a mesma para qualquer pessoa que deseja levar uma vida saudável.

O que evitar?

 

Frituras, carnes vermelhas, salsicha, linguiça e bacon, pois o excesso de gordura faz com que a comida fique mais tempo no estômago, aumentando a chance de refluxo;

Café, chás e chocolate, pois estimulam a produção de suco gástrico, favorecendo o refluxo;

Irritam a mucosa gástrica e aumentam o refluxo;

Refrigerantes e água com gás, pois aumentam a pressão dentro do estômago;

Irrita a mucosa gástrica e aumenta a acidez;

Farinha, macarrão e pão, pois diminuem a força do esfíncter que fecha a passagem entre o estômago e o esôfago.

Por outro lado, existem alimentos que podem ser incluídos na sua dieta para contribuir no tratamento do refluxo gastroesofágico.

O que incluir na dieta?

 

São ricas em fibras e outras substâncias benéficas ao estômago. Prefira as menos ácidas, como banana, maçã e mamão.

Também são ricos em fibras. Grão-de-bico, feijão e ervilha são boas opções.

Ajudam a melhorar a digestão e equilibrar a acidez estomacal.

As carnes vermelhas possuem maior teor de gordura. Portanto, prefira as carnes magras, como frango e peixes.

Possui propriedades anti-inflamatórias, melhorando os sintomas relacionados ao esvaziamento gástrico.

Ajuda a combater a má digestão e exerce um efeito calmante sobre o estômago.

Cuidados com a alimentação

Além de saber o que comer e o que não comer, também é importante ter alguns cuidados a mais com seus hábitos:

Veja mais informações!

 

Quando procurar um médico?

A Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE) é tratável por meio de uma combinação de mudanças no estilo de vida e medicamentos. Mas os sintomas persistentes de refluxo precisam de avaliação completa por um gastroenterologista que pode encontrar a causa subjacente e discutir as opções de tratamento disponíveis.

Se você tiver azia duas ou mais vezes por semana e as mudanças em sua dieta ou padrão alimentar não ajudarem, consulte um médico. Um gastroenterologista (um médico especializado no sistema digestivo) pode realizar testes para medir a acidez no estômago e verificar se o refluxo ácido frequente danificou o esôfago.

O tratamento com medicamentos para refluxo gastroesofágico tem o objetivo de reduzir a produção de ácido pelo estômago e melhorar a mobilidade do esôfago.

Mesmo que você sinta uma melhora nos sintomas, nunca deixe de tomar seus medicamentos sem a orientação do seu médico. O refluxo gastroesofágico é uma doença crônica e a continuidade do seu tratamento é o que garante mais qualidade de vida e bem-estar.

Acesse a campanha “Siga o Fluxo”: https://bit.ly/siga-o-fluxo-fazbem, uma iniciativa do FazBem e da AstraZeneca para você ficar mais informado sobre o refluxo e estar mais no controle da sua saúde e bem-estar.

Além disso, continuar acompanhando as dicas do FazBem também pode ajudar bastante!

Faça seu cadastro no programa e descubra todo o apoio que podemos oferecer para a sua jornada em busca de saúde!

 
 
 
 
Referências:
https://www.hopkinsmedicine.org/health/wellness-and-prevention/gerd-diet-foods-that-help-with-acid-reflux-heartburn
http://www.hce.eb.mil.br/nutricao/276-refluxo-gastroesofagico-alimentos-e-cuidados-para-amenizar-os-sintomas
https://cdo.com.br/dieta-para-refluxo-gastroesofagico/
https://www.institutosenescer.com.br/doencas_relacionadas/alimentacao-na-gastrite-e-doenca-do-refluxo/
http://www.campinas.sp.gov.br/sa/impressos/adm/FO144.pdf
http://imnutrologia.com.br/materias/doenca-do-refluxo-gastroesofagico-23-alimentos-que-diminuem-a-azia/
https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0899900718300844
 BR-11782. Material destinado a pacientes. Mar/2021
Os comentários estão fechados
Política de Cookies

Esse Website utiliza política de cookies para oferecer uma melhor experiência para o usuário.

Utilizando esse website você permite o uso desses cookies.

Descubra mais sobre como nós utilizamos e gerenciamos cookies lendo nossa Política de Cookies.